rez@rafaelrez.com

O que define se algo é bom ou ruim?

13 de dezembro de 2016
Nenhum Comentário

O que define o que é bom ou ruim? O que define se algo vai dar certo ou errado? O que define se algo viraliza ou não?

Domingo estávamos em casa largados no sofá após o almoço e comecei a colocar algumas músicas na TV via Youtube, uma delas foi “Old Love” do acústico do Eric Clapton, e comentei que era um dos meus solos de piano preferidos.

Minha esposa me perguntou: o que define se algo é rock? Meio que sem pensar eu respondi: “a atitude”. Minha filha arregalou os olhos e sorriu…

Hoje respondi um dos meus Mentorados e dei a mesma resposta, num contexto completamente diferente… A pergunta era sobre como se diferenciar num mercado extremamente competitivo. A preocupação é plenamente justificada.

“Todos os dias aparece alguém novo falando alguma coisa, quando entro no Youtube há milhares de vídeos sobre o assunto, não há mais nada de novo para falar.”

Nosso debate seguiu exatamente na linha da atitude e personalidade. Não é uma promessa mais agressiva, um resultado maior ou um vídeo super produzido que farão a diferença em 2017. Será a atitude. Ter uma preocupação genuína com o sucesso do cliente, demonstrar esta preocupação e transformá-la em ações práticas que gerem resultados.

Qual o segredo dos maiores e melhores Youtubers? O que faz milhares, milhões de pessoas segui-los? É o conteúdo que fez do Whindersson Nunes um dos maiores canais do mundo? Não!

É a atitude caspita! É o carisma! É a sinceridade, a fala genuína, a opinião aberta e despudorada. É o anti-herói.

O mundo anda cheio de politicamente correto, de gente contida, de boas maneiras, de receitas de sucesso. Quem sai da curva, quem faz diferente do esperado, quem inova, mas principalmente quem tem atitude se destaca. Boa parte disso é intuitivo, está abaixo da linha de percepção. A gente gosta sem saber explicar direito porquê gosta. Não tem receita não. Só aprende fazendo mesmo.

E não precisa ser atitude agressiva. Não precisa ser polêmico. Não precisa rasgar o verbo. Mas precisa ter atitude: “comportamento ditado por disposição interior, maneira de agir, conduta.”

No fim foi isso que sempre definiu o rock. Pode ser rockabilly, blues, folk, pop, hardcore, punk, metal, softrock, poser. Se tiver atitude é rock!

Se o blues é o pai do rock, a atitude é a mãe e provavelmente o capeta é o avô, como se diz por aí. Você pode até não gostar do pai e do avô, mas não tem como não gostar da mãe!

Pra quem gosta ou ficou curioso, o solo de piano do Chuck Leavell nesta versão de Old Love é um dos que eu mais gosto:https://youtu.be/eCRcwGMz1bU?t=320.

Rafael Rez

Autor do livro "Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI", publicado pela DVS Editora. Possui MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2013. Fundador da consultoria de marketing digital Web Estratégica, já atendeu mais de 1.000 clientes em 20 anos de carreira. Co-fundador da startup GoMarketing.cloud. Fundou seu primeiro negócio em 2002, de onde saiu no final de 2010. Foi sócio de outros negócios desde então, mantendo sempre como atividade principal a direção geral da Web Estratégica. Além de Empreendedor e Consultor, é Professor em diversas instituições: HSM Educação, ILADEC, Cambury, ESAMC,ALFA, ESPM, INSPER. Em 2016 fundou a Nova Escola de Marketing.

Sua vez de falar

Seu e-mail não será publicado