rez@rafaelrez.com

Quem entende Portugal?

3 de abril de 2008
Nenhum Comentário

O texto abaixo foi integralmente reproduzido de um e-mail, os (ótimos) comentários entre parenteses não são meus, mas complementam a idéia.

Se por um lado é importante dar instruções corretas aos usuários, por outro lado é fundamental não tratá-los como acéfalos. Dei boas risadas e guardei para usar de exemplo.

“Não dá para acreditar que estas advertências estão realmente escritas em embalagens de produtos vendidos em Portugal. As advertências aos consumidores abaixo foram colecionadas em hipermercados portugueses, em duas horas apenas, por um médico brasileiro que ministrou curso em Lisboa, a convite da OMS. Todas são absolutamente verdadeiras, inclusive os nomes dos produtos.

Num secador de cabelos:

“NAO USE QUANDO ESTIVER DORMINDO”
(Sei lá, você pode querer ganhar tempo.)

Na embalagem do sabonete anti-séptico Dial:

“INDICAÇÕES: UTILIZAR COMO SABONETE NORMAL”
(Boa! Cabe a cada um imaginar pra que serve um sabonete anormal)

Em alguns pacotes de refeições congeladas Swan:

” SUGESTÃO DE APRESENTAÇÃO: DESCONGELAR PRIMEIRO”
(É só sugestão, tá ok? De repente o pessoal pode estar a fim de chupá-las como picolé.)

Numa touca para a ducha:

“VÁLIDO PARA UMA CABEÇA”
(Alguém muito romântico poderia colocar a sua e a da amada na mesma touca.)

Na sobremesa Tiramisú da marca Tesco, impresso no lado de baixo da caixa:

“NÃO INVERTER A EMBALAGEM”
(Opa! Se você leu o aviso, é porque já inverteu!)

No pudim da Marks & Spencer:

“ATENÇÃO: O PUDIM ESTARÁ QUENTE DEPOIS DE AQUECIDO”
(Brilhante!)

Na embalagem do ferro de passar Rowenta de fabricação alemã:

“NÃO ENGOMAR A ROUPA SOBRE O CORPO”
(Coitada da infeliz criatura que não deu ouvidos a este aviso)

Num medicamento pediátrico contra o catarro infantil, da Boots:

“NÃO CONDUZA AUTOMÓVEIS NEM MANEJE MAQUINÁRIA PESADA DEPOIS DE TOMAR ESTE MEDICAMENTO”
(Tantos acidentes poderiam ser evitados se fosse possível manter esses travessos miúdos de 4 anos longe dos volantes dos carros e dos tratores Caterpillar)

Nas pastilhas para dormir da Nytol:

“ADVERTÊNCIA: PODE PRODUZIR SONOLÊNCIA”
(Pode não, deve! Foi prá isso que eu comprei).

Numa faca de cozinha:

“IMPORTANTE: MANTER LONGE DAS CRIANÇAS E ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO”
(Será que lá os cachorros e gatos são ninjas disfarçados? Nunca vi nenhum mexer em faca!)

Numa caixa de luzes decoração de Natal:

“USAR APENAS NO INTERIOR OU NO EXTERIOR”
(Alguém pode me dizer qual é a 3ª opção?)

Nos pacotes de amendoim da Sainsbury:

“AVISO: CONTÉM AMENDOINS”
(Mania de estragar as surpresas!)

Numa serra elétrica da Husqvarna, de fabricação sueca:

” NÃO TENTE DETER A SERRA COM AS MÃOS OU OS GENITAIS”
(Kit de castração caseira?)

Num saquinho de batatas fritas:

“VOCÊ PODE SER O VENCEDOR. NÃO É NECESSÁRIO COMPRAR. DETALHES DENTRO”.
(sem comentários)

Numa fantasia infantil de Super-Homem:

“O USO DESSE TRAJE NÃO O TORNA APTO A VOAR”.
(Olha como isso destrói a imaginação da criança!)”

.

Rafael Rez

Autor do livro "Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI", publicado pela DVS Editora. Possui MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2013. Fundador da consultoria de marketing digital Web Estratégica, já atendeu mais de 1.000 clientes em 20 anos de carreira. Co-fundador da startup GoMarketing.cloud. Fundou seu primeiro negócio em 2002, de onde saiu no final de 2010. Foi sócio de outros negócios desde então, mantendo sempre como atividade principal a direção geral da Web Estratégica. Além de Empreendedor e Consultor, é Professor em diversas instituições: HSM Educação, ILADEC, Cambury, ESAMC,ALFA, ESPM, INSPER. Em 2016 fundou a Nova Escola de Marketing.

Sua vez de falar

Seu e-mail não será publicado