rez@rafaelrez.com

Marketing Básico

13 de outubro de 2013
Nenhum Comentário

Todo o processo de marketing vai além de uma necessidade de consumo, envolvendo atributos psicológicos gerados no convívio em sociedade, sendo estes necessidades fisiológicas, de segurança e estima, explicadas, por exemplo, na pirâmide de Maslow.

Em suma, a essência do marketing básico trabalha com estratégias e táticas.

Embora lhe pareça que possam ser conceitos muito parecidos, as estratégias são parte componente do que é o “por que” da compra, as razões, motivos pelos quais se leva à compra.

Já as táticas são o “como” esta compra é concretizada, quais os meios utilizados neste processo e tudo o mais que englobe e se encaixe em como o processo foi feito.

Juntas são auto-explicáveis para o processo de geração de valor e desejo por necessidade de compra, que é o que se mais converte em vendas.

A grande maioria das marcas acabam então por contarem histórias que geram o valor psicológico agregado ao valor da marca, e em sua maioria se baseiam em fundação e motivo da marca ter nascido no mercado, além de histórias correlacionadas com produtos de criação própria desta.

Estas acabam sendo contadas por gerações e agregam valor à marca fazendo-as serem lembradas por vínculos a essas histórias.

No mercado, as empresas, contam suas histórias de valor e assim competem entre si, oferecendo este ou aquele valor agregado, vendendo uma promessa de vínculo com vivências particulares sobre seus produtos ou serviços.

Desta forma as empresas trabalham livremente as histórias pessoais de cada consumidor, sem mesmo conhecê-las uma a uma utilizando estes contos em suas comunicações.

Daí a ideia do consumidor se indagar sobre porque este ou aquele produto é melhor para suas necessidades, e é neste ponto que as empresas mais trabalham a questão do que oferecem como diferencial, como se destacam perante os concorrentes, como incentivam práticas e atitudes e assim constroem seu marketing marcante.

O cuidado em elaborar o novo e inovador deve estar em paralelo com a necessidade, ou seja, não basta criar algo novo do zero e achar que com isso venderá muito.

É preciso pensar se o que está em questão é objeto de necessidade de alguém.

Quase sempre os grandes novos produtos que caem nas graças dos consumidores surgem de uma necessidade, e não ao contrário, pois assim tocaremos novamente no ponto principal de se produzir algo que o mercado busca e deseja, usando a simples técnica de ser simples e ir direto ao ponto específico da necessidade.

Rafael Rez

Autor do livro "Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI", publicado pela DVS Editora. Possui MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2013. Fundador da consultoria de marketing digital Web Estratégica, já atendeu mais de 1.000 clientes em 20 anos de carreira. Co-fundador da startup GoMarketing.cloud. Fundou seu primeiro negócio em 2002, de onde saiu no final de 2010. Foi sócio de outros negócios desde então, mantendo sempre como atividade principal a direção geral da Web Estratégica. Além de Empreendedor e Consultor, é Professor em diversas instituições: HSM Educação, ILADEC, Cambury, ESAMC,ALFA, ESPM, INSPER. Em 2016 fundou a Nova Escola de Marketing.

Sua vez de falar

Seu e-mail não será publicado